Festa no Céu

5 09 2010

            Certa vez, houve uma grande festa no céu e todos os animais da Terra foram convidados. Como os bichos eram muito festeiros, foram logo combinando que o urubu deveria animar os convidados tocando viola.

           Estando o famoso violeiro, na beira da lagoa, ensaiando algumas músicas, ouviu uma vozinha resmungando sem parar:

          – Ai! Ai! Ai! Como posso ir à festa? Ando tão devagarinho que, quando chegar lá, a festa já terá terminado há muito tempo!

          – Que foi, comadre targaruga? Agora deu para falar sozinha? – perguntou o urubu, interferindo nas lamentações da vagarosa.

          – Veja só, compadre: os outros há muito chegaram na festa. Menos eu. Ainda nem cheguei no meio do caminho e lá no céu muitos já caíram na folia – reclamou a tartaruga.

         – Ora comadre, deixe lá de rabugices e suba dentro da minha viola. Eu também já estou atrasado pra festança – respondeu o urubu preparando-se para voar.

          Chegando no céu, o urubu foi recebido com muita algazarra, pois os bichinhos, que já comiam e bebiam do bom e do melhor, estavam ansiosos para que logo iniciasse o baile.

          Mal se sentara, o urubu tentou tirar as primeiras notas de sua viola, mas a música que saía de lá tinha um som abafado e muito desagradável.

          – Ora, o que será que está acontecendo? Lá na Terra o som era uma maravilha que só vendo! – exclamou o violeiro.

         – Me tira daqui, ó compadre, antes que eu fique surda – berrou a vozinha que vinha de dentro do instrumento.

         – Mas não é que a nossa amiga lerda ainda não conseguiu sair daqui?! – brincou o violeiro mal contendo a gargalhada.

         Assim, depois de tirarem a comadre de dentro da viola, começou a maior festa de todos os tempos. Cada bicho convidou a sua parceira para dançar e o “arrasta-pé” foi até o despontar da manhã.

          Bem cedinho, a bicharada resolveu retornar à Terra. Aqueles que não sabiam voar foram pedir carona aos que sabiam.

          Em pouco tempo quase todos já estavam de volta. Só dois ainda estavam por lá: o urubu e a tartaruga.

          – Já está pronto, comprade urubu?

          – Ao tempo que estou esperando a senhora chegar, já podíamos estar na Terra – respondeu o violeiro, bocejando de sono por causa da demora.

         Logo a molengona tratou de entrar novamente dentro da viola e, em poucos minutos, os dois bichos já estavam voando de volta para casa.

          Mas como na Terra o tempo se preparava para chuva, eles tiveram que atravessar muitas nuvens. Com isso, o urubu sentiu sono, pois havia passado toda a noite animando o baile da bicharada.

          Chegando a certa altura, o urubu, que não tinha resistido ao cochilo, esqueceu que dentro da viola estava a comadre. Quando esta tentou chamar a atenção dele, já era tarde.

          A viola virou de boca para baixo e a comadre despencou de lá de cima gritando, feito louca, por socorro.

          Porém ninguém conseguiu ouvir a vozinha da tartaruga e a coitada levou um tombo tão grande que quebrou toda a carapaça.

          Demorou um tempão para soldar outra vez, mas ficou para sempre a marca das rachaduras.

          É por isso que até hoje a tartaruga tem as costas como se fosse feita de pedacinhos colados um no outro.

 

         (Festa no Céu, Coleção  “Paraíso da Criança I” – “Séries Brasileiras”, Editora Edelbra)

About these ads

Ações

Information

2 responses

17 11 2012
layza lopes

adoreii a historia!!

24 03 2013
carla

boua

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: